sábado, 17 de junho de 2017

A tendência de doutrinamento político-partidário a partir do currículo escolar

Imagem retirada daqui
Em Abril passado, o sindicato AMES (Acció per a la Millora de l`Ensenyament Secundari) de professores da Catalunha, publicou um estudo de grande interesse com o título Adoctrinamiento ideológico partidista en los libros de texto de Cataluña, de la materia “Conocimiento del medio” (Geografía e Historia, Ciencias Sociales) de 5.º y 6.º de Primaria, del curso 2016/2017

Como é sabido, em Espanha, à luz da política de descentralização, a par do Ministério da Educação, cabe às comunidades autónomas tomar decisões em matéria de currículo escolar.

Estas decisões não podem, porém, contrariar a Constituição do país, a Lei de Bases da Educação - a LOMCE - e o currículo nacional. Nos dois primeiros documentos consta explicitamente a obrigação de se respeitar, na escola pública, a neutralidade político-partidária.

Mas, é isto que acontece?

A pergunta tem todo o sentido dada a tendência do poder político - central e regional -, qualquer que seja a sua orientação, para controlar o currículo. Há muito que isto se encontra documentado e bem documentado, sabendo-se que as disciplinas mais visadas são a História, a Geografia e a Língua Materna. Através delas é possível reconstruir a ideia de um país ou de uma região e fixá-la nas novas gerações, mas também nos professores e nos pais. Na maior parte da população, portanto. A razão que leva tal poder a dar tanta atenção ao currículo é essa mesmo.

Voltando ao referido estudo, trata-se de uma análise de manuais escolares de Ciências Sociais dos 5.º e 6.º anos, destinados a alunos entre os 10 e os 12 anos de idade, publicados por sete grandes editoras, com o fim de se detectarem eventuais tendências "ideológicas e partidárias".

O foco foi a comunidade autónoma da Catalunha, mas, complementarmente, foi feita uma comparação com outras comunidades.

Imagem retirada daqui.
Os resultados obtidos confirmam essas tendências, não apenas no que é explícito no texto mas também naquilo que lá não consta. 

Por exemplo,
- em diversos manuais os conteúdos de Geografia e de História de Espanha têm uma expressão mínima, dando-se a entender que a comunidade em causa é um país da União Europeia;
- num manual pergunta-se qual é a língua oficial da comunidade, omitindo-se que a autonomia implica línguas cooficiais,
- noutro manual diz-se que a lei principal da comunidade é o "Estatuto", sem qualquer referência à Constituição.

Questionada sobre o assunto, a "Asociación Nacional de Editores de Libros de Texto" denunciou «pressões políticas de todo tipo» em várias comunidades.

Em síntese, notam os autores do relatório, é inadmissível intervir no processo educativo com base em critérios políticos o partidários, pois, entre outras razões, isso mina a exigência de rigor científico que deve estar presente no currículo escolar.

NOTA: Sobre este assunto, é de grande interesse o artigo de Olga Sanmartín intitulado Así se adoctrina a los niños en los libros de texto d Cataluña, publicado no jornal El Mundo.

3 comentários:

  1. A questão do nacionalismo, não é estar contra ele, mas sim, porque é que ele ressurge naturalmente como uma necessidade, ainda que seja artificialmente diabolizado. O seu reflexo na Escola é apenas o sintoma de uma doença maior (continuar a governar para os 1%, mentindo descaradamente aos 99%) seria errado esperar outra coisa diferente.

    Aplicando as proporções 80-20, desses 1% cuja única crença é o poder pelo poder, 20% seguramente pratica pedofilia, participa em práticas antigas como a de beber sangue adrenalizado de crianças aterrorizadas, com o fim de alongar a sua vida, e isto entre outras práticas satânicas e intoleráveis no séc. XXI. O símbolo do 'vampiro' é um reflexo directo daquilo que caracteriza a grande elite mundial. Um planeta que tem tudo para ser um paraíso está por isso transformado num inferno permanente. Tudo o resto são adereços!

    ResponderEliminar
  2. olhe , isto está um inferno permanente porque aderimos em massa aos valores judaicos do négocio , do dinheiro, de Mamon . queremos tudo aquilo que o demo apresentou a Cristo nos 40 dias no deserto e Ele rejeitou , só caganças. E a culpa é nossa , parecemos carneiros em frente ao ecrã da pub e propaganda , achamos que ser escravos do ter é vida. small is beautiful !!!

    ResponderEliminar
  3. Se tivermos juízo, tudo pode mudar rapidamente:
    http://phibetaiota.net/2017/06/robert-steele-with-jason-liosatos-unrig-youtube-5813/

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.